31 ago 15

inspiração pra semana: just do it

Eu tenho uma mania muito ruim de só querer começar a agir, em qualquer situação, depois de ter planejado, pensado e achado a melhor solução. Se por um lado isso me poupa de surpresas, por outro me deixa paralisada em busca do plano perfeito. Por isso, minha atual “meta de vida” é fazer, simplesmente fazer. No caminho a gente vai aprendendo e ajustando a rota…

9ade2392fe166594846844cf9664af64

Ju Ozol
Postado em Bem Estar, Desenvolvimento Pessoal
26 ago 15

Imperfeita, e daí?!

Cheguei no site da Kind consultoria por acaso, e me encantei com o conceito da empresa. Assisti a esse vídeo manifesto, chamado “Imperfeita, e daí?!”, e me identifiquei com vários pontos, apesar de visualmente não me reconhecer em nenhuma das mulheres representadas. É engraçado como mesmo com “caras” e estilos tão distintos, todas nós acabamos tendo os mesmos medos, dúvidas e inseguranças, né?! Acho que vale assistir e refletir um pouco sobre como nos enxergamos e sobre a perfeição que não só a sociedade, mas a gente mesmo se cobra!

Ju Ozol
Postado em Bem Estar, Desenvolvimento Pessoal
22 ago 15

Voltando pro Brasil de mudança: a isenção de impostos

Não sei se vocês sabem, mas quem mora no exterior por mais de um ano tem direito a trazer mudança pro Brasil sem pagamento de impostos. Claro que não dá pra pirar e trazer 3 geladeiras, 5 televisões e um monte de roupa com etiqueta, pois tudo tem que ser compatível com o período que você ficou fora e ser caracterizado como bem de uso pessoal. Como ficamos em Boston por 1 ano e 10 dias, entramos nessa isenção. Pra isso, você deve ir ao consulado do Brasil mais próximo da sua residência levando uma série de documentos, para expedir um atestado de residência que vai ser apresentado ao fiscal da alfândega no aeroporto de chegada no Brasil.

Nós chegamos em Guarulhos com umas 20 malas, mais carrinho, criança, cachorro e papagaio. Fomos para o “a declarar” e lá de cara já nos perguntaram se era mudança. O fiscal pediu o atestado, passaportes, perguntou quanto tempo ficamos fora e nos liberou, sem nem passar pelo raio x. Coisa rápida, em 5 minutos já estávamos liberados!

Claro que com o dólar nas alturas, não trouxemos quase nada. Nosso plano inicial era comprar várias coisas legais de casa pra usar durante esse ano e depois trazer pra cá, mas mudamos de ideia rapidinho assim que o dólar começou a subir – e mesmo assim viemos com 17 malas!

No próximo post eu conto porque escolhi trazer todas essas malas como excesso de bagagem no avião, ao invés de mandar por navio ou empresa de mudança!

Pra saber mais, esse post aqui explica tudo bem direitinho :)

Ju Ozol
Postado em Diário, Em Primeira Pessoa